• Home
  • /Notícias
  • /RN terá dois voos semanais da Holanda ainda este ano
RN terá dois voos semanais da Holanda ainda este ano

RN terá dois voos semanais da Holanda ainda este ano

A paquera iniciada há dois anos entre o Governo do RN e os holandeses foi sacramentada essa semana com a confirmação de dois voos semanais vindos de Amsterdã, na Holanda, para Natal a partir do próximo mês de novembro.

As tratativas com a Corendon – uma das três maiores empresas holandesas – foram iniciadas ainda em janeiro de 2016, quando a equipe da Secretaria de Estado do Turismo do RN esteve presente à principal feira de turismo da Holanda, a Vakantiebeurs.

“O trabalho de negociação com o mercado internacional é demorado e geralmente demora dois a três anos, a exemplo desses voos. Também plantamos uma semente em Madri e devemos colher voos da Espanha para julho de 2019”, projeta o secretário estadual de Turismo, Ruy Gaspar.

Serão 189 passageiros em cada aeronave. A estimativa é de que, entre novembro de 2018 e abril de 2019, desembarquem em Natal mais de 10 mil holandeses, com gasto médio de 700 euros por estadia, o equivalente a R$ 30 milhões injetados na economia potiguar nesse período.

Em contrapartida, o Governo do Estado investirá 200 mil dólares, com recursos do Governo Cidadão por meio de empréstimo do Banco Mundial, e a seccional regional da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH/RN) entrará com mais 100 mil dólares, revertidos em hospedagem e divulgação do Estado.

“O Governo do RN participa das rodadas de negócios nas feiras internacionais para projetar o Estado. A vinda de turistas holandeses ao RN é a consolidação do trabalho sério de divulgação que estamos fazendo. Os recursos aplicados são do Governo Cidadão, que investe maciçamente na interiorização do turismo”, frisou o coordenador do projeto Governo Cidadão, Vagner Araújo.

Para Ruy Gaspar, estes voos holandeses deverão “abrir os olhos” do turista alemão e escandinavo para os destinos potiguares. “É uma conquista que vai com certeza reabrir esse mercado que tivemos há 15 anos”, conclui.